Síndrome da ardência bucal: revisão de literatura

  • Francielly Alves Barreiros Centro Universitário Newton Paiva
Palavras-chave: Higiene Bucal;, Unidade de terapia intensiva;, pneumonia associada a ventilação mecânica

Resumo

A Síndrome da Ardência Bucal é caracterizada por uma distorção de sentidos comumente descrita como sensação de queimação que afeta a cavidade podendo haver ausência de sinais clínicos ou alterações laboratoriais detectáveis. Os sintomas tem início espontâneo e podem ser acompanhados por alterações de paladar e xerostomia. Esses sintomas podem estar limitados a um local particular da cavidade oral, ou afetar várias áreas da mucosa, e embora os dois terços anteriores da língua sejam os maiores relatos de incidência, qualquer sítio bucal pode estar acometido. O presente trabalho tem como objetivo analisar na literatura as características, fatores ligados à síndrome, formas de realizar o correto diagnóstico e os efeitos do tratamento. Foi realizado levantamento bibliográfico do período entre 1987 a 2017 nas bases de dados do Pubmed, Scielo, BVS Odontologia, nos idiomas inglês e português. A literatura mostra a prevalência da Síndrome da Ardência Bucal na população entre 4° e 5° década de vida, sendo mais susceptível o sexo feminino e, ainda há grande controvérsia da literatura para termos de diagnósticos e tratamentos. O profissional Cirurgião Dentista tem uma função primordial nas condutas para diagnóstico e tratamentos da síndrome, mas necessita de conhecimentos sobre a patologia para que possa conduzir o caso com sucesso e promover o bem estar do paciente.

Publicado
2019-08-07
Como Citar
Barreiros, F. (2019). Síndrome da ardência bucal: revisão de literatura. REVISTA DO CROMG, 18(1), 19-24. Recuperado de http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/128
Seção
Artigos