http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/issue/feed REVISTA DO CROMG 2019-08-07T15:27:30+00:00 Revista do CROMG revista@cromg.org.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">REVISTA DO CROMG - ISSN Impresso 1413-3326 | ISSN Eletrônico 2357-7835. Uma publicação do Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais.</p> http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/7 Avaliação da penetração de agentes clareadores no interior da câmara pulpar de dentes bovinos 2019-08-07T15:27:29+00:00 Suellen De Azevedo Moreira suellenmoreira15@gmail.com Vitor Alexandre Marinho vitor-marinho@uol.com.br Pedro Orival Luccas pedro@unifal-mg.edu.br Grazielle Cabral de Lima graziunifal@yahoo.com.br Roberta Bessa Veloso Silva bessaveloso@yahoo.com.br <p class="western" style="margin-bottom: 0cm; line-height: 150%;" align="justify"><span style="font-family: Times New Roman,serif;"><span style="font-size: medium;">O objetivo deste trabalho foi avaliar a possível penetração de agentes clareadores na câmara pulpar de dentes bovinos após terem sido submetidos a diferentes técnicas de clareamento dental. Foram utilizados 50 dentes bovinos que tiveram a porção radicular removida. Cinco grupos foram formados com 10 dentes em cada um, como segue: Grupo controle - sem aplicação de clareador; Grupo 1 - peróxido de hidrogênio a 35%; Grupo 2 - peróxido de carbamida a 10%; Grupo 3 - peróxido de carbamida a 16%; Grupo 4 - peróxido de hidrogênio a 7,5%. A câmara pulpar destes dentes foi curetada, preenchida com água destilada e vedada com fita de teflon. Uma moldeira de acetato foi confeccionada individualizando cada dente para padronização da aplicação dos diferentes clareadores. Terminados os períodos de aplicação dos clareadores, a fita de vedamento foi removida, a água destilada removida com uma seringa e transferida para leitura no espectrofotômetro. Os resultados foram submetidos à Análise de Variância (ANOVA) e depois aplicado o teste de Tukey ao nível de 5% de significância. Os resultados mostraram que apenas dois grupos apresentaram penetração de agente clareador na câmara pulpar. </span></span></p> 2019-08-01T17:55:43+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/8 Sialolito de grandes dimensões no ducto da glândula submandibular: relato de caso 2019-08-07T15:27:29+00:00 Jocasta Santos Assis jocastasantosassis@gmail.com Cláudia Assunção e Alves Cardoso claudiassuncao@yahoo.com.br Bruno Fernando Cançado Oliveira brunofcoliveia@hotmail.com Michel Calil Abrao Neto michel@abraoodontologia.com.br Flávio Ricardo Manzi manzi@pucminas.br <p>As glândulas salivares, principalmente as maiores, frequentemente apresentam-se obstruídas por estruturas calcificadas, denominadas sialolitos. Estes podem ser encontrados no interior da glândula ou em seu ducto excretor, sendo o local de maior ocorrência, o ducto da glândula submandibular. O diagnóstico pode ser obtido por meio da realização de manobras semiológicas tais como, palpação, inspeção e ordenha da glândula. Os resultados são geralmente confirmados por meio de exames de imagem, dos quais, destacam-se as radiografias oclusal total de mandíbula, panorâmica e tomografia computadorizada. O tratamento pode variar, desde a simples estimulação salivar, até a remoção cirúrgica do sialolito e da glândula envolvida. Objetiva-se com este trabalho realizar revisão de literatura a respeito do tema, bem como relatar o caso clínico de um sialolito de dimensões aumentadas no ducto da glândula submandibular, que foi removido cirurgicamente. Além de destacar as diversas opções de diagnóstico e tratamento disponíveis, e de descrever os aspectos mais relevantes na prática clínica.</p> 2019-08-01T17:57:38+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/84 Protocolo de higiene bucal em unidade de terapia intensiva: projeto piloto 2019-08-07T15:27:29+00:00 Diele Carine Barreto Arantes dielebarreto@hotmail.com Ana Paula Martins dos Passos anapaulampassos@hotmail.com Mayara Rocha dos Santos mayrs2@hotmail.com Erica Souza Cambraia dielebarreto@hotmail.com Sara Aparecida Cardoso Pinto saraap1991@hotmail.com Cláudio Dornas de Oliveira cdornas@yahoo.com.br Lucinete Duarte dos Santos lucinetesantos2004@yahoo.com.br Mara Rúbia de Moura dielebarreto@hotmail.com Daniela Goursand daniela.goursand@newtonpaiva.br Júnia Noronha Carvalhais Amorim junia.amorim@newtonpaiva.br Santuza Maria Souza de Mendonça santuza@newtonpaiva.br <p>Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAVM) é uma das principais causas de morte em unidade de terapia intensiva (UTI). A higiene bucal em pacientes entubados parece ser uma medida importante na prevenção dessa doença. Objetivo: trata-se de um projeto piloto com a aplicação de um protocolo de higiene bucal (PHB) em pacientes adultos hospitalizados em UTI e sob ventilação mecânica. Método: o PHB incluiu escovação dentária com sucção e gel de clorexidina a 0,12%. Resultados: em um ano, participaram 110 pacientes que receberam o PHB e 397 do grupo controle. A PAVM foi diagnosticada em quatro pacientes do grupo de intervenção e em 15 do grupo controle, sem diferença estatística. O tempo médio de participação do paciente na pesquisa foi de 6 dias, sendo que a aplicação do PHB foi de 1,4 dias. Conclusões: mais experiências podem aumentar a incorporação do PHB em terapia intensiva, com perspectivas de redução de PAVM e melhoria na qualidade de vida dos pacientes.</p> 2019-08-01T18:00:45+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/85 Erupção ectópica do primeiro molar permanente: revisão de literatura 2019-08-07T15:27:30+00:00 Maristela Soares Swerts Pereira maristela.pereira@unifenas.br Giovana de Carvalho maristela.pereira@unifenas.br Luana da Silva Carvalho maristela.pereira@unifenas.br <p>A erupção ectópica do primeiro molar permanente é uma anormalidade de erupção geralmente diagnosticada por acaso, em consultas de rotina durante a dentição mista. Segundo dados epidemiológicos, atinge meninos e meninas em igual proporção, com maior incidência na maxila em relação à mandíbula. Caracteriza-se pelo desvio da trajetória normal de erupção do primeiro molar permanente, o qual irrompe mesializado, promovendo sua impacção e reabsorção anormal e precoce no segundo molar decíduo. Essa ectopia seguirá diferentes linhas de resolução dependendo de sua classificação, que pode ser reversível ou irreversível, sendo essencial que o Cirurgião-Dentista seja capaz de estabelecer o diagnóstico precoce e implementar melhor conduta para cada caso, visando minimizar as possíveis sequelas na oclusão do paciente. Sendo assim, o presente trabalho teve como propósito realizar uma revisão da literatura, &nbsp;por meio de pesquisa bibliográfica em bases de dados, visando proporcionar melhor conhecimento e entendimento sobre essa anormalidade, destacando sua etiologia, epidemiologia, diagnóstico, classificação, sequelas e condutas clínicas.</p> 2019-08-01T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/128 Síndrome da ardência bucal: revisão de literatura 2019-08-07T15:27:30+00:00 Francielly Alves Barreiros franciellybarreiros@gmail.com <p>A Síndrome da Ardência Bucal é caracterizada por uma distorção de sentidos comumente descrita como sensação de queimação que afeta a cavidade podendo haver ausência de sinais clínicos ou alterações laboratoriais detectáveis. Os sintomas tem início espontâneo e podem ser acompanhados por alterações de paladar e xerostomia. Esses sintomas podem estar limitados a um local particular da cavidade oral, ou afetar várias áreas da mucosa, e embora os dois terços anteriores da língua sejam os maiores relatos de incidência, qualquer sítio bucal pode estar acometido. O presente trabalho tem como objetivo analisar na literatura as características, fatores ligados à síndrome, formas de realizar o correto diagnóstico e os efeitos do tratamento. Foi realizado levantamento bibliográfico do período entre 1987 a 2017 nas bases de dados do Pubmed, Scielo, BVS Odontologia, nos idiomas inglês e português. A literatura mostra a prevalência da Síndrome da Ardência Bucal na população entre 4° e 5° década de vida, sendo mais susceptível o sexo feminino e, ainda há grande controvérsia da literatura para termos de diagnósticos e tratamentos. O profissional Cirurgião Dentista tem uma função primordial nas condutas para diagnóstico e tratamentos da síndrome, mas necessita de conhecimentos sobre a patologia para que possa conduzir o caso com sucesso e promover o bem estar do paciente.</p> 2019-08-07T14:51:14+00:00 ##submission.copyrightStatement##