http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/issue/feed REVISTA DO CROMG 2018-09-19T11:18:46+00:00 Revista do CROMG revista@cromg.org.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">REVISTA DO CROMG - ISSN Impresso 1413-3326 | ISSN Eletrônico 2357-7835. Uma publicação do Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais.</p> http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/18 Artroscopia da articulação temporomandibular 2018-09-18T18:25:48+00:00 Saulo Renato Ferraz sauloferraz@yahoo.com.br Cristian Alexandre Correa contato@contato.com Selmar Alves Lobo Júnior contato@contato.com Douglas Rogério de Oliveira contato@contato.com Fernando Pimenta Xavier contato@contato.com <p>As disfunções temporomandibulares (DTM) assolam um grande número de pacientes, apresentando etiologia multifatorial. São tratadas, na maioria dos casos de forma conservadora através de terapêutica medicamentosa, splints e fisioterapia. A artroscopia da articulação temporomandibular (ATM), surge como uma modalidade de tratamento menos invasivo e empregado naqueles casos refratários ao tratamento conservador, evitando-se dessa forma uma cirurgia aberta (artrotomia) da ATM. Dessa forma o objetivo do presente trabalho é realizar uma revisão da literatura através da pesquisa de artigos e livros indexados. Nota-se que há um alto índice de sucesso das intervenções artroscópicas, principalmente no que tange à melhora de sintomatologia álgica e limitação de abertura bucal. Fica evidente também que dentre tais modalidades, a lise e lavagem artroscópica (LLA) foi amplamente utilizada, com ótimos resultados, e que a discopexia artroscópica, apesar da maior complexidade, também pode ser realizada com sucesso por cirurgião experiente.&nbsp;</p> 2018-09-18T18:11:24+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/19 Células tronco dentárias 2018-09-18T19:09:51+00:00 Maristela Soares Swerts Pereira maristela.pereira@unifenas.br Letícia Figueiredo de Oliveira contato@contato.com Letícia de Paula Almeida contato@contato.com <p>Nos últimos anos, a busca por meios de permitir a reparação e regeneração tecidual, tem aumentado de forma expressiva na Odontologia. Neste novo cenário a mais estudada fonte de progressos são as células tronco. O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão de literatura, por meio de pesquisa bibliográfica em bases de dados, acerca do estágio de conhecimento atual das células tronco, enfatizando as células tronco de origem dentária, bem como a tendência para suas possíveis aplicações. Observou-se que as células troncode origem dentária são consideradas fontes peculiares e de suma importância, possuindo propriedades fundamentais como, multidiferenciação e capacidade de autoduplicação, além da facilidade de acesso e obtenção, por não serem oriundas de órgãos vitais. No entanto, até o momento, o que se tem na prática é apenas a perspectiva de um futuro promissor, representado por terapias biológicas baseadas na regeneração/reparação de tecidos dentários e não dentários, sendo necessários estudos para confirmar sua viabilidade.</p> 2018-09-18T19:09:51+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/20 Efeito da solução de armazenamento na resistência de união entre cimento resinoso e resina composta 2018-09-18T19:12:52+00:00 Tarciane Márcia Ferreira contato@contato.com Alberto Nogueira da Gama Antunes contato@contato.com Vinícius de Magalhães Barros contato@contato.com Herbert Haueisen Sander contato@contato.com Walison Arthuso Vasconcellos contato@contato.com Ricardo Rodrigues Vaz ricardovazufmg@yahoo.com.br <p>O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da metodologia de armazenamento na resistência de união entre um cimento resinoso e uma resina composta. A resina composta TPH foi usada para preencher um molde de silicone (10,0mm x 6,0mm), resultando em dois blocos cilíndricos. Suas bases foram polidas com lixa de carbeto de silício (#600) e aplicado o adesivo Single Bond 2. O cimento Fill Magic Dual Cement foi usado para cimentar os dois blocos de resina. Após 24 horas o conjunto foi seccionado em 15 corpos-de-prova com o formato de palitos (1.0mm<sup>2</sup> de área de secção transversal). Para o grupo controle (Grupo I), cinco corpos-de-prova (n=5) foram aleatoriamente selecionados e testados utilizando uma máquina de Micro Tensile Tester-MTT, sob uma célula de carga de 500N e 1.0mm/minuto de velocidade. Cinco corpos-de-prova foram aleatoriamente selecionados para formar o grupo de armazenamento em água (Grupo II) e os cinco restantes designados para o grupo de armazenamento em álcool (Grupo III). Após o armazenamento de dois meses, cada corpo-de-prova foi submetido ao ensaio de tração nas mesmas condições anteriormente descritas no Grupo I. Os valores foram submetidos à ANOVA e ao teste de Tukey ao nível de confiança de 95%. Os resultados revelaram que o grupo controle (23.7± 6.7Mpa), apresentou diferença significativa em relação ao grupo armazenado em água (14.2 ± 1.6MPa) e ao grupo armazenado em álcool (8.1 ± 2.7Mpa), após dois meses, p&lt;0,05. Não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos II e III de armazenamento. As duas metodologias de armazenamento foram capazes de reduzir o valor da resistência de união.</p> 2018-09-18T19:12:52+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/21 Equipe hospitalar multidisciplinar 2018-09-18T19:15:22+00:00 Bruno Cesar Ladeira Vidigal butvidigal@gmail.com Evert Leonard Santos Pinto de Andrade contato@contato.com Patrícia Maria Coelho contato@contato.com Saulo Gonçalves Abreu contato@contato.com Fernando Antônio Mauad de Abreu contato@contato.com <p>A inserção e atuação do cirurgião-dentista na equipe multiprofissional hospitalar tornam-se um fator de suma importância na manutenção da saúde como um todo e no conforto dos pacientes internados. Além da prática das especialidades odontológicas, o controle do biofilme bucal e de patógenos, pelo cirurgião-dentista, se apresenta como uma importante prática à assistência dentro de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), reduzindo potenciais riscos de complicações aos pacientes hospitalizados que comumente apresentam deficiência na higienização. A proposta de inserção da assistência odontológica para melhoria das condições de saúde ao paciente hospitalizado em ambiente hospitalar é fortalecida com o conceito de uma equipe multidisciplinar, sendo de suma importância para o desenvolvimento da Odontologia Hospitalar.</p> 2018-09-18T19:15:22+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/22 O papel da mucosa ceratinizada inserida na saúde periimplantar 2018-09-19T11:18:46+00:00 Erika Storck Cezário erika.storck@unilestemg.br Ricardo Rodrigues Bueno contato@contato.com Elton Gonçalves Zenóbio contato@contato.com <p>A presença de mucosa ceratinizada inserida ao redor dos dentes tem sido um tema controverso na literatura. Enquanto diversos trabalhos apontam que a presença de uma faixa mínima de 1 a 2 mm está relacionada à boa saúde periodontal outros relatam essa relação. Com o advento da terapia com implantes, a mesma questão tem sido levantada e algumas pesquisas tem demonstrado que uma faixa estreita de mucosa ceratinizada ao redor dos implantes pode estar associada a um maior acúmulo de placa e inflamação peri-implantar, e outras relatam haver saúde periimplantar mesmo na ausência de mucosa ceratinizada desde que o controle de placa seja mantido. Os dados inconsistentes na literatura podem ser atribuídos a fatores como diferenças nas técnicas de restauração e falta de informação sobre o padrão de higienização dos pacientes envolvidos nas pesquisas.</p> 2018-09-18T19:20:45+00:00 ##submission.copyrightStatement## http://revista.cromg.org.br/index.php/rcromg/article/view/23 Reabsorção radicular interna 2018-09-18T19:23:40+00:00 Renata Costa Val Rodrigues recostaval@gmail.com Jenniffer Vieira de Oliveira contato@contato.com <p>A reabsorção radicular interna é uma condição patológica muito raramente encontrada em dentes permanentes, sendo menos frequente do que a reabsorção radicular externa. Caracteriza-se pela destruição progressiva da estrutura dental a partir da parede do canal radicular, como resultado das atividades celulares clásticas e formação de tecido de granulação no local do defeito. <strong>Objetivo:</strong> realizar revisão da literatura atualmente disponível acerca da etiologia e prevalência, aspectos clínicos e radiográficos, diagnóstico, tratamento e prognóstico da reabsorção radicular interna nos canais radiculares. <strong>Métodos:</strong> uma busca detalhada de literatura foi realizada no Pubmed (Medline), Science Direct e Bireme. Foi usado “endodontia” e “reabsorção dentária” em Português e "endodontic" e “tooth resorption" em Inglês. <strong>Conclusão:</strong> a reabsorção radicular interna é uma pulpopatia rara, de natureza inflamatória crônica, provocada principalmente pelo trauma e infecção. Assim que diagnosticada é necessário tratamento endodôntico imediato. Quando detectada precocemente, o prognóstico é bom. Em estágios avançados, onde há extensa perfuração da estrutura dentária, o prognóstico é duvidoso, podendo ser inevitável a extração dentária.</p> 2018-09-18T19:23:40+00:00 ##submission.copyrightStatement##